04 agosto 2010

A primeira corrida...

A gente nunca esquece!

A minha foi no dia 1º de setembro de 2004. Eu tinha parado de nadar no final de 2003 e, desde então, só fazia musculação, spinning e caía na água quatro ou cinco vezes por mês pra manter a forma. Isso quando encontrava tempo entre as aulas do 4º ano de Engenharia Civil, o estágio/trabalho em período mais do que integral à frente da obra de uma concessionária de carros, em Goiânia, e os milhões de projetos elaborados em todas as matérias de um quase final de curso de Engenharia.

Um professor da academia onde eu treinava, Guilherme Prudente (então técnico do Santiago Ascenço, que eu conhecia porque ele nadava com a minha equipe de natação, quando eu ainda treinava), estava há meses me perturbando pra eu ir correr com a assessoria dele. Ou pra comprar uma bicicleta e começar a pedalar. Ou fazer as duas coisas, e virar triatleta.

E eu sempre enrolando, por um motivo muito simples: NADADOR NÃO SABE CORRER. Não era por causa do trabalho, nem porque eu sabia que pra treinar teria que acordar de madrugada, nem por nenhuma outra desculpa que eu poderia dar plausivelmente. Eu não sabia correr. E não tinha o menor interesse em aprender. Ponto.

Desde os meus 13 anos, quando eu passei para a categoria infantil da natação federada, todo começo de ano era a mesma coisa: o Omar (nosso técnico cubano) colocava todo mundo pra correr em volta da quadra (ou do quarteirão da academia) pra perdermos os quilos extras acumulados nas festas de fim de ano. E metade da turma fazia sempre a mesma coisa: corria na frente do Omar, andava no fundo da quadra. Eu inclusa.

Juro que não era por mal. Eu nunca gostei de matar treino. Aliás, treinava mais do que todos os outros atletas da equipe, da minha idade. Dobrava duas ou três vezes por semana, sozinha, na hora do almoço. Mas eu não agüentava correr tanto! Como assim, CINCO VOLTAS na quadra??? Isso deve dar uns 2km!!!

Quem diria... O trauma durou até os 20 anos. E eu não fazia triathlon porque não sabia correr, e achava que não iria aprender nunca. Mas um belo dia eu tive um piripaque na obra, e o diagnóstico foi... stress! Como assim? Antes dos 20 anos?? Já???

Decidi (sim, decidi, porque ninguém me falou isso) que o meu problema era falto de esporte competitivo. Só academia, pra mim, não adiantava. E resolvi aproveitar o recém-criado grupo de corrida da MB Engenharia e a proximidade de uma prova (a Mini-Maratona de Goiânia, realizada sempre no dia 24 de outubro) pra começar a correr.

Dia 1º de setembro eu acordei às 5h45, calcei meu tênis e fui (de carro) pro Parque Vaca Brava (cujo ponto de encontro ficava a quase 700m da minha casa) encontrar o restante da equipe, que já treinava ali três vezes por semana há mais de mês. Corri cinco voltas: 5.5km de sobe e desce ininterrupto, fingindo que eu não estava quase me matando para acompanhar a Karol (então secretária da empresa). Fechei o treino em 41’07” (incríveis 7’28”/km).

No outro dia eu quase não andava, mas dois dias depois eu fiz a mesma coisa. E depois mais sete vezes, até que a minha 10ª corrida foi a Mini Maratona de Goiânia, enooooormes 10.6km em 1:03’ (isso mesmo, 6’00”/km; um grande avanço pra nove treinos, ta?). Uma semana depois da prova eu comprei minha primeira bicicleta speed, a Specialized S-Works que hoje a Flavinha Fernandes guia devidamente. Dia 21 de novembro eu fiz a minha primeira prova de triathlon, e sobrevivi (era aniversário da minha mãe; eu tinha que sobreviver). Uma coisa levou à outra, que levou à outra, e os mais recentes capítulos desta história todo mundo (pelo menos todo mundo que lê este blog) sabe.

Então, ontem, dia 03 de agosto de 2010, eu fiz a minha primeira corrida. De novo. Na esteira, 4x 2’30”, intercalados com 2’30” de caminhada. Passo: 7’00”/km. E não senti nada de dor. Nadinha, nenhum incomodozinho. E a passada curtinha continua ali, quase 100ppm, mesmo no trote. E a postura continua a mesma, a mesma pisada com a ponta dos pés – o direito supinado, o esquerdo neutro, mas com valgo no joelho. Tudo igualzinho.

Tudo menos a vontade, que cresce a cada dia.

O ritmo, logo eu pego.

O volume, tenho certeza de que a Coach Rosana Merino vai me passar daqui a algumas semanas.

O prazer de correr...

Esse, eu descobri em 2004, redescobri ontem, e não quero deixar de lado nunca mais.


20 comentários:

satrijoe disse...

Parabéns pela determinação e amor ao esporte.

Desejo uma recuperação completa e que tudo dê certo neste retorno aos treinos e às provas!

Inté,
Shigueo
satrijoe.wordpress.com

André disse...

Muito legal o seu post, tenho certeza q em pouco tempo vc estará destruindo de novo! Lembrei do tempo em q eu nadava e tb enrolava minha treinadora nas corridas de início de ano(tinha q correr da piscina do Botafogo até a urca, e molhava a cabeça no posto de gaolina perto do clube p/ parecer suado. rs)!
André Gonçalves

Vagner disse...

Fui lendo, lendo, lendo e, de repente, vem esse parágrafo "Então, ontem, 03 de agosto...". Me pegou direitinho, totalmente desprevenido: veio aquele nó garganta. Lindo texto, linda história.

Bel disse...

Puxa Ana Lidia!Que show, que experiência, e tudo tão bem narrado.
Conclusão: você nasceu para correr, nadar, competir, inspirar, passar força, brilhar, etc...etc...Sua postura e tragetória enriquece aos que te acompanham.
beijos
Bel

dalton cabral disse...

Parabéns mais uma vez... exemplo de superação... Bjs

Ironman - Eu posso! disse...

Muitíssimo legal!!!!
É isso aí, FORZA!
Hoje vou correr pensando no seu post.
Um ótimo retorno, quantas vezes for necessário ....

LODD disse...

Demorou mas valeu a pena a espera!!!

Parabéns pelo blog e pelos textos.

Bjo

LODD

Júnior_Triatleta disse...

Parabéns pela determinação, tenha um ótimo retorno, beijos.

http://juniortriatleta.blogspot.com/

Bons treinos.

Miler disse...

Parabéns!!muito boa sua trajetória de sucesso, é uma pena o que aconteceu, mas isso só faz fortalecer o seu carater e sua vontade.
Torço por vc e quero o melhor pra vc.
Te vi na running show, mas não falei contigo.
até um dia..
sucesso pra vc !!

Jorginho disse...

Parabéns Aninha!!! Com a força da mente tudo é possível, sem dor então, fica mais fácil... Bora, bora...

Fernanda Paradizo disse...

Ana,
Parabéns pelo blog e principalmente pela perseverança, determinação e vontade de querer voltar. Adorei o texto "Corro por que..." Emocionante!!! Bom retorno às corridas e muita sorte nessa nova fase do vida.
bjs,
Fernanda Paradizo

Xampa disse...

Belissimo texto.
Back to life, back to reality.
Parabens.

Artur Araujo disse...

Confesso a vc que tinha receios em relação a sua volta ao triathlon,mas tinha fé.Fé que vc se recuperaria plenamente e voltaria melhor do que antes.Que DEUS a abençoe nessa volta com muitas alegrias.

klebercorrea disse...

Ana, parabéns pelo texto, e mais do que isso, um super parabéns pelo seu retorno...
Sigo na sua torcida...
Cada vez mais sucesso para você!!!!

Roberta disse...

Vc é pura raça, determinacao , teimosia, nem dá pra duvidar de nada do q se propoe...
Vc correndo de novo!!! perigo puro!! hehehe
Felicidade demais minha linda!!
Amo vc pra xuxu!!!

Talita Saab disse...

Borbinha... não preciso nem comentar nada né....?!?!

vc já sabe do orgulho e admiração que tenho por vc em toda essa sua determinação...

num quero nem ve o dia que passar de novo por mim correndo...to ferrada..hehehe :)

ahhh, o "nosso" blog ficou lindo..hehehe

Ana Lidia Borba disse...

Ta,
Valeu pela ajuda com as configurações e, principalmente, pela pressão pra colocar o blog no ar. Thanks! =)
Obrigada a todos pelos comentários!

Bruno disse...

Gostei da história da primeira corrida. Estava de olho no Blog quando vc estava montando, mas confesso que tinha parado de olhar. Hoje me surpreendi. Está demais. Parabéns!!!

Pretto disse...

ô, minha irmazinha! Que bom saber que agora tu tens um blog para te ajudar a contar essa história tão bonita do teu retorno,além de refletir tua luz para todos nós.
Ganhou aqui um leitor.
Um beijo grande e nos vemos em breve.
Teu amigo que te adora,
Lucas

Lisandra disse...

Suas palavras são sempre inspiradoras. Suas atitudes são sempre exemplares.
Penso em vc como uma pessoa que tem sempre muito a nos ensinar. Obrigada por tudo isso!!!